<iframe src="https://www.googletagmanager.com/ns.html?id=GTM-KTJBCW6" height="0" width="0" style="display:none;visibility:hidden">
Plano de fundo esquerdo do banner

Inovação

Virtual e presencial em aula: conheça as vantagens e desvantagens do ensino híbrido

Você sabe o que é ensino híbrido de verdade? Descubra o que o termo significa, as vantagens e os desafios de adotar o modelo no Brasil.

Inovação

Tempo de leitura: 6 min
Newsletter

Se antes o presencial era a regra, com a pandemia de Covid-19 ele se tornou a exceção. A necessidade de manter o distanciamento social transformou o ensino híbrido no protagonista do debate educacional. 

No momento em que este texto é escrito, onze estados brasileiros mantiveram aulas no formato híbrido, nove autorizaram o retorno de todos os estudantes ao presencial e dois permitiram a volta de apenas algumas turmas do ensino fundamental e médio.

Escolas com limitações no espaço físico que impedem o distanciamento seguem com encontros remotos no Amapá, Pará, Paraná e Santa Catarina. Estudantes com comorbidades podem continuar a participar das aulas à distância no Mato Grosso, Pará, Paraná e Santa Catarina. 

O que se viu neste meio tempo, entre a adoção das aulas remotas e o retorno gradual ao presencial, foi um desconhecimento sobre como o ensino híbrido funciona de fato. 

Por isso preparamos este artigo com as informações essenciais sobre esse formato, que não é uma simples transposição das aulas presenciais para o online. 

Confira o que você vai ver por aqui: 

  1. O que é ensino híbrido 
    1.1 Pilares do ensino híbrido 
    2.1 Modelos do ensino híbrido 
  2. O ensino híbrido antes, durante e depois da pandemia 
  3. As vantagens e desvantagens do ensino híbrido
  4. O ensino híbrido e as metodologias ativas

CTA: Faça uma pós graduação com quem está reinventando a educação! Matricule-se Já!

O que é ensino híbrido

Chamado de "blended learning", em inglês, o ensino híbrido é a combinação de métodos do ensino presencial e do online para potencializar o desenvolvimento da aprendizagem dos discentes. 

O termo “online” se refere ao uso de tecnologias digitais que possibilitem o educador personalizar o ensino de acordo com o perfil e desempenho do estudante, a partir da coleta e análise de informações. Ou seja, não necessariamente o ensino híbrido vai depender da conexão com a internet. 

Ainda, Lilian Bacich, referência nacional no tema e professora do curso Neurociência e aprendizagem no contexto escolar da Pós Educação Unisinos, define o ensino híbrido como:

"Uma mistura metodológica que impacta a ação do professor em situações de ensino e a ação dos estudantes em situações de aprendizagem”. 

Uma das principais características do ensino híbrido é o maior controle que o estudante tem sobre o tempo, lugar, formas e ritmo de estudo. Ele abandona a inércia do modelo expositivo de ensino para assumir uma postura mais ativa na construção do conhecimento. 

Nesse formato, o professor assume o papel de mediador e facilitador, o que permite que ele dedique mais tempo para acompanhar o desenvolvimento individual do discente, pois não terá que se concentrar apenas na exposição do conteúdo durante todo o período de aula. 

É preciso ressaltar que o ensino híbrido não anula o tradicional, nem que um é bom e o outro é ruim. O ensino híbrido aprimora o modelo convencional para atender as demandas educacionais do século 21. Não se pode perder de vista a importância da avaliação, do objetivo da aula e da explicação do professor no meio do debate. 

Pilares do ensino híbrido

  1. Estudante deve aprender pelo menos no ambiente virtual;
  2. O aprendizado deve acontecer em um local físico que não seja a casa do estudante;
  3. Aprendizagem presencial e online devem estar integradas.

Modelos do ensino híbrido

Os educadores podem trabalhar com dois modelos de ensino híbrido, o sustentado e o disruptivo. Conheça as principais características e metodologias.

1. Modelo sustentado

O ensino híbrido é inserido aos poucos no dia a dia da turma, sem um distanciamento abrupto com o convencional. A aprendizagem acontece em duas dimensões:

  1. Extrínseca: depende de notas, rotina e procedimentos;
  2. Intrínseca: prioriza a construção do conhecimento.

Os principais métodos do modelo sustentado são:

  • Rotação por estações: os estudantes revezam as atividades a serem realizadas, sob a orientação do professor. Eles são organizados em grupos para realizar as tarefas e debater o conteúdo.
  • Sala de aula invertida: os discentes estudam o conteúdo antes da aula para apresentá-lo aos colegas. Saiba mais sobre a metodologia neste artigo.
  • Laboratório rotacional: a aula começa no modelo convencional, para em seguida os estudantes migrarem para o laboratório de informática para realizar as tarefas.
2. Modelo disruptivo

As aulas são organizadas por meio dos estímulos. A maior parte das atividades é feita online, para complementar o que será desenvolvido nos modelos sustentados.

Os principais submodelos são:

  • Rotação individual: cada estudante recebe uma lista de atividades a serem realizadas dentro e fora da escola;
  • Flex: a lista de atividades é personalizada conforme as competências e habilidades da turma. O professor fica à disposição para tirar dúvidas;
  • À la carte: os objetivos de aprendizagem e o conteúdo é definido pelo docente, mas é o discente quem deve organizar a rotina de estudos;
  • Virtual enriquecido: estudantes têm pelo menos uma sessão de aprendizagem presencial com o professor responsável pela disciplina.

O ensino híbrido antes, durante e depois da pandemia

Antes da pandemia, o ensino híbrido se concentrava no ensino superior, embora a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), promulgada em 1996, já previsse o uso de ensino à distância no artigo 80.

A Lei n.° 13145, de 2017, trouxe complementações à LDB e definiu que programas de ensino à distância deveriam ser instaurados em situações emergenciais para o ensino fundamental e médio:

§ 4º O ensino fundamental será presencial, sendo o ensino a distância utilizada como complementação da aprendizagem ou em situações emergenciais. [...]

§ 11. Para efeito de cumprimento das exigências curriculares do ensino médio, os sistemas de ensino poderão reconhecer competências e firmar convênios com instituições de educação a distância com notório reconhecimento, mediante as seguintes formas de comprovação: VI - cursos realizados por meio de educação a distância ou educação presencial mediada por tecnologias.

No entanto, a discussão sobre a adoção do ensino híbrido na rede pública e privada só ganhou força com em março de 2020, com o fechamento das escolas em decorrência da pandemia de Covid-19.

O Brasil foi o país que manteve as escolas fechadas por mais tempo, segundo levantamento de 2021 da Organização para Cooperação do Desenvolvimento Econômico (OCDE). Foram 178 dias sem aulas presenciais na educação infantil e nos primeiros anos do ensino fundamental no ano de 2020, o triplo em comparação à média de outros países.

Neste meio tempo, professores e estudantes tiveram que se adaptar ao modelo remoto e aprender a usar novas ferramentas para não perder o ano letivo. A mais utilizada foi o WhatsApp, de acordo com levantamento da União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), em parceria com o Unicef e Itaú Social. 

O mensageiro foi o escolhido por não exigir dados móveis e por estar presente na maioria dos celulares, muitas vezes a única forma de acesso à internet dos estudantes brasileiros. Estima-se que 95,3% das redes municipais recorreram ao WhatsApp e ao material impresso para continuar com as aulas durante a pandemia. 

>>> Inspire-se com a história de escolas que inovaram com poucos recursos.

Outra dificuldade encontrada por docentes e discentes foi a falta de experiência com o ensino remoto. A pesquisa “Trabalho Docente em Tempos de Pandemia”, realizada em 2020 pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), mostrou que 89% dos professores da rede pública não tinham experiência para dar aulas remotas antes da pandemia e 21% dos entrevistados contaram que têm dificuldades para lidar com tecnologias digitais.

mídia que escolas que unem o ensino remoto e presencial estão praticando o ensino híbrido, com a transmissão simultânea do que acontece em sala de aula para os estudantes que estão em casa, por exemplo. 

No entanto, o ensino híbrido só acontece, de fato, quando há um diálogo entre as modalidades, a partir de um planejamento estratégico que recorre às ferramentas digitais para personalizar o processo de aprendizagem e dar mais autonomia ao estudante. 

Para o pós-pandemia, a previsão é que a alternância entre aulas presenciais e remotas continue. O Conselho Nacional de Educação (CNE), inclusive, está criando um documento com orientações sobre o ensino híbrido para a educação básica e superior, o que deve diminuir a confusão entre os conceitos.

As vantagens e desvantagens do ensino híbrido

Já que a tendência é que o modelo faça parte da rotina escolar, é importante conhecer as vantagens e desvantagens do ensino híbrido. Assim você vai estar mais bem preparado para a nova forma de trabalhar no pós-pandemia.

As vantagens do ensino híbrido são:

  • Maior autonomia e envolvimento do estudante, que adota uma postura mais ativa e assume o centro do processo de ensino e aprendizagem;
  • Maior personalização do ensino, de acordo com as competências e habilidades de cada estudante;
  • Realizar mais atividades criativas e supervisionadas pelo professor em sala de aula, pois o conteúdo será previamente estudado em outros ambientes de aprendizagem;
  • Professor tem mais tempo para acompanhar o desenvolvimento do aprendizado dos estudantes, identificar dificuldades e adequar o planejamento;
  • Criação de um ambiente escolar mais conectado à realidade do estudante, que é um nativo digital;
  • Adequação às orientações da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), em particular ao desenvolvimento da competência 5, que trata sobre o uso das tecnologias digitais no dia a dia das escolas.

Já a principal desvantagem está relacionada à desigualdade social brasileira: a falta de acesso às Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) por parte de estudantes. 

Estima-se que metade das famílias brasileiras que recebem até um salário mínimo não conseguem acessar a internet em casa, de acordo com a pesquisa "TIC Domicílios 2019", feita pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic).

Muitas destas famílias, aliás, compartilham um único celular. Ou seja, o estudante precisa pedir o smartphone emprestado para os pais e dividi-lo com os irmãos para fazer as atividades remotas. 

O Censo Escolar 2020 também traz números que expressão a desigualdade. Enquanto que 85% das escolas particulares têm acesso à internet banda larga, apenas 52,7% das escolas da rede municipal têm este tipo de conexão. 

O ensino híbrido e as metodologias ativas

Pelo que você leu até aqui, deu para perceber que uma das características fundamentais do ensino híbrido é a maior independência do estudante na rotina de estudos, não é? 

Para que isso aconteça, o professor deve recorrer às metodologias ativas, que são estratégias de ensino baseadas na participação efetiva do discente na construção do processo de aprendizagem, de forma flexível, interligada e híbrida. 

Conheça as principais metodologias ativas neste artigo.

As metodologias ativas potencializam o aprendizado por meio de jogos e projetos que aliam colaboração e personalização. O estudante se envolve diretamente no processo de forma participativa e reflexiva, pesquisando e formulando hipóteses com o auxílio do professor. 

Dessa forma, ele aumenta sua flexibilidade cognitiva, que, na prática, é expressada em uma maior capacidade de realizar diferentes tarefas, fazer operações mentais mais complexas e se adaptar a situações inesperadas. 

Ainda, as metodologias ativas são uma forma de promover a aprendizagem significativa, desde que haja a interação intencional entre conhecimentos prévios do estudante com o conteúdo novo da aula.

O ensino híbrido combinado com as metodologias ativas não apenas dá protagonismo ao educando na construção do conhecimento. Ele também dá mais espaço para educadores inovarem no dia a dia, contribuindo assim com o desenvolvimento acadêmico e socioemocional de crianças e adolescentes. 

Esperamos que este artigo seja um estímulo para você aprofundar seus conhecimentos sobre ensino híbrido. Se quiser saber mais sobre inovação na educação, confira os materiais que preparamos sobre o tema no Blog da Pós Educação Unisinos.

Sobre o autor

Olívia Baldissera

Jornalista e historiadora. É analista de conteúdo da Pós Educação Unisinos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página.

Acompanhe a transformação na Educação.

Confira os últimos artigos sobre inovação, metodologias de ensino e aprendizagem e carreira docente que preparamos para você.

Plano de fundo esquerdo dos posts relacionados
Plano de fundo direito dos posts relacionados