<iframe src="https://www.googletagmanager.com/ns.html?id=GTM-KTJBCW6" height="0" width="0" style="display:none;visibility:hidden">
Plano de fundo esquerdo do banner

Carreira

Componentes, habilidades e campos de experiência da BNCC: resumo completo para professores

Entenda o que são os campos de experiência da BNCC e outros conceitos neste guia para professores da educação infantil e do ensino fundamental e médio.

Carreira

Tempo de leitura: 11 min
Newsletter

Confira um guia com as principais orientações da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para suas aulas.

Aprovada em 2017, a BNCC ainda traz dúvidas para professores de todos os níveis educacionais. Afinal, ela ainda está sendo implementada nas escolas de todo o país. Pelo menos 5122 municípios já homologaram currículos adequados à BNCC para a educação infantil e o ensino fundamental, o que representa 92% das cidades brasileiras, segundo o Observatório de Implementação da BNCC e do Novo Ensino Médio.

Muitos professores também têm dúvidas sobre como montar um plano de aula de acordo com a BNCC, que já é abordada em cursos de pós-graduação para os profissionais da educação atuarem de acordo com as regras vigentes. A seguir, você encontrará um resumo das principais orientações da BNCC para a educação básica. Confira:

  1. O que significa a BNCC
    1.1 O objetivo da BNCC
  2. As 10 competências da BNCC
    2.1 Como ler os códigos da BNCC
  3. A BNCC na educação infantil
    3.1 Os 6 direitos de aprendizagem da BNCC
    3.2 Os 5 campos de experiência da BNCC
  4. A BNCC no ensino fundamental
    4.1 As 5 áreas do conhecimento da BNCC do ensino fundamental
  5. A BNCC no ensino médio
    5.1 As 4 áreas do conhecimento da BNCC do ensino médio
  6. Como montar um plano de aula alinhado à BNCC
  7. Como citar a BNCC, de acordo com a ABNT
New call-to-action

O que significa a BNCC

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento normativo que lista as aprendizagens essenciais que todos os estudantes devem desenvolver nos níveis da educação básica. Ela auxilia na elaboração dos currículos por parte das escolas, que devem contemplar os direitos de aprendizagem e os objetivos a serem alcançados pelos estudantes.

Em outras palavras, a Base traz O QUE é preciso ensinar em cada ano, enquanto o currículo aborda o COMO.

A BNCC começou a ser elaborada em 2015, a partir de determinações da Constituição de 1988, da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) e do Plano Nacional de Educação (PNE). Em dezembro de 2017, o documento que trazia diretrizes para a educação infantil e o ensino fundamental foi homologado. No ano seguinte, foi a vez do ensino médio. A Base passou a vigorar em 2019 para os níveis infantil e fundamental, enquanto estudantes adolescentes aguardam as reformas do Novo Ensino Médio.

A BNCC é obrigatória para escolas das redes pública e privada de ensino. As entidades responsáveis pela fiscalização da implementação são os conselhos estaduais e municipais de educação. A União se concentra em programas de formação de professores e adequação dos materiais didáticos ao documento.

A BNCC foi elaborada a partir de dois fundamentos pedagógicos, que vão além do acúmulo de informações por parte dos estudantes e da fragmentação do conhecimento em disciplinas:

  1. Foco no desenvolvimento de competências, alinhadas às demandas do mundo contemporâneo.
  2. Compromisso com a educação integral, que esteja alinhada às necessidades, possibilidades e interesses dos estudantes.

A partir da Base, as escolas e os sistemas e redes de ensino devem incorporar aos currículos temas da atualidade que afetam a vida das crianças e da sociedade como um todo. Os assuntos abaixo devem ser abordados de forma transversal e integradora:

  • Direitos da criança e do adolescente (Lei nº 8.069/199016);
  • Educação para o trânsito (Lei nº 9.503/199717);
  • Educação ambiental (Lei nº 9.795/1999, Parecer CNE/CP nº 14/2012 e Resolução CNE/CP nº 2/201218);
  • Educação alimentar e nutricional (Lei nº 11.947/200919);
  • Processo de envelhecimento, respeito e valorização do idoso (Lei nº 10.741/200320);
  • Educação em direitos humanos (Decreto nº 7.037/2009, Parecer CNE/CP nº 8/2012 e Resolução CNE/CP nº 1/201221);
  • Educação das relações étnico-raciais e ensino de história e cultura afro-brasileira, africana e indígena (Leis nº 10.639/2003 e 11.645/2008, Parecer CNE/CP nº 3/2004 e Resolução CNE/CP nº 1/200422);
  • Saúde, vida familiar e social, educação para o consumo, educação financeira e fiscal, trabalho, ciência e tecnologia e diversidade cultural (Parecer CNE/CEB nº 11/2010 e Resolução CNE/CEB nº 7/201023).

O objetivo da BNCC

O objetivo da BNCC é diminuir as desigualdades no aprendizado, ao definir os conhecimentos, habilidades e competências essenciais para toda a educação básica. O documento também propõe fortalecer a colaboração entre as três esferas de governo e superar a fragmentação de políticas educacionais.

As 10 competências da BNCC

Uma competência para a BNCC é a mobilização de conhecimentos, habilidades, atitudes e valores para solucionar problemas do dia a dia, do exercício da cidadania e do mundo do trabalho. Essa definição está alinhada à Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU), que defende um desenvolvimento sustentável da sociedade.

As 10 competências da BNCC são:

  1. Entender e explicar a realidade a partir dos conhecimentos historicamente construídos sobre o mundo, assim colaborando com uma sociedade mais justa, democrática e inclusiva.
  2. Entender e aplicar a abordagem científica para investigar causas, criar hipóteses e pensar em soluções, a partir dos conhecimentos de diferentes áreas.
  3. Valorizar, participar e usufruir de manifestações artísticas e culturais.
  4. Dominar diferentes linguagens para se expressar e compartilhar informações, sentimentos e experiências.
  5. Dominar as tecnologias digitais de informação e comunicação e saber como utilizá-las em diferentes contextos, de forma ética e crítica.
  6. Valorizar e compreender a diversidade de saberes, culturas e experiências, para assim exercer a cidadania com responsabilidade.
  7. Defender ideias, opiniões e decisões comuns com base em fatos, dados e informações confiáveis, sempre considerando os direitos humanos e a consciência socioambiental.
  8. Conhecer as próprios emoções e cuidar da própria saúde física e emocional.
  9. Exercitar a empatia, o diálogo e a resolução de conflitos, levando em consideração a diversidade.
  10. Agir com autonomia, responsabilidade e flexibilidade, além de tomar decisões éticas, democráticas, inclusivas e sustentáveis.

Todas as competências da BNCC devem ser trabalhadas nas três etapas da educação básica, ou seja, na educação infantil, no ensino fundamental e no médio.

Como ler os códigos da BNCC

A BNCC lista uma série de códigos alfanuméricos que correspondem a objetivos de aprendizagem e habilidades específicas que o estudante deve desenvolver ao ter contato com um determinado objeto do conhecimento. No caso da educação infantil, o código traz o campo de experiência correspondente à atividade.

Vamos usar os três códigos alfanumérico abaixo como exemplo:

  • EI02TS01
  • EF01MA01
  • EM13LGG103

No primeiro exemplo, o código da BNCC se refere aos objetivos de aprendizagem da educação infantil. Ele traz um grupo por faixa etária, o campo de experiência e a habilidade que será desenvolvida. Cada uma das letras e números indicam as seguintes informações:

  • EI: primeiro par de letras indica a etapa educacional. No código em questão, refere-se à educação infantil.
  • 02: o primeiro par de números indica a faixa etária. No caso, crianças bem pequenas, de 1 ano e 7 meses a 3 anos e 11 meses.
  • TS: o segundo par de letras indica o campo de experiências. TS significa "traços, sons, cores e formas".
  • 01: por fim, o último par de números mostra a posição da habilidade na numeração sequencial do campo de experiências para cada faixa etária. Aqui, a atividade está relacionada ao som.

Consultando a BNCC, o código EI02TS01 significa: criar sons com materiais, objetos e instrumentos musicais, para acompanhar diversos ritmos de música.

No segundo exemplo, a sequência se refere aos objetos de conhecimento: contagem de rotina, contagem ascendente e descendente e reconhecimento de números no contexto diário. Cada uma das letras indica as seguintes informações:

  • EF: primeiro par de letras indica a etapa educacional. No código em questão, refere-se ao Ensino Fundamental.
  • 01: o primeiro par de números indica o ano a que se refere a habilidade. Aqui, seria o 1º ano de matemática.
  • MA: o segundo par de letras indica o componente curricular. No caso, matemática.
  • 01: o último par de números indica a posição da habilidade na numeração sequencial do ano ou do bloco de anos.

Se você consultar a seção de matemática da BNCC para o ensino fundamental, verá que o código EF01MA01 corresponde a: “utilizar números naturais como indicador de quantidade ou de ordem em diferentes situações cotidianas e reconhecer situações em que os números não indicam contagem nem ordem, mas sim código de identificação.”

Por fim, no último exemplo, as letras e numerais indicam essas informações:

  • EM: primeiro par se refere à etapa do ensino médio.
  • 13: o primeiro par de números indica o ano a que se refere a habilidade. Nesse caso, a habilidade pode ser desenvolvida em qualquer série do ensino médio, de acordo com o currículo.
  • LGG: a sequência de três letras indica a área, enquanto uma sequência de duas letras, o componente curricular. Aqui, LGG significa "Linguagens e suas tecnologias".
  • 103: o primeiro número indica a competência específica relacionada à habilidade, enquanto os dois últimos números apontam a numeração dessa habilidade no conjunto de cada competência.

EM13LGG103 significa “analisar o funcionamento das linguagens, para interpretar e produzir criticamente discursos em textos de diversas semioses (visuais, verbais, sonoras, gestuais)”.

Reparou na estrutura das frases de cada um dos exemplos? As habilidades indicadas pelos códigos da BNCC seguem a seguinte lógica:

  1. Verbo: explica o processo cognitivo envolvido na habilidade.
  2. Complemento: indica o objeto de conhecimento da habilidade.
  3. Modificadores: indicam o contexto ou uma maior especificação da aprendizagem esperada.

Atenção: os códigos da BNCC não descrevem ações, abordagens e métodos do professor. Cabem aos educadores e às escolas definirem esses aspectos nos planos de aula e nos currículos.

A numeração sequencial não indica ordem ou hierarquia entre os objetivos de aprendizagem. Aqui não vamos listar todos os objetivos de aprendizagem nem as habilidades dos três níveis educacionais. Você também não precisa decorar todos os códigos da BNCC, mas é importante entender como eles são estruturados para fazer consultas ao documento.

A BNCC na educação infantil

Ao tratar sobre a educação infantil, a BNCC se apoia nos eixos estruturantes das práticas pedagógicas definidos pelo Artigo 9º das Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Infantil (DCNEI, Resolução CNE/CEB nº 5/2009), que são:

  1. Interações
  2. Brincadeira

Ambas auxiliam as crianças nessa faixa etária a construírem e se apropriarem do conhecimento, por meio da interação com os colegas e outros adultos. Dessa forma, elas aprendem, se desenvolvem e socializam.

Os 6 direitos de aprendizagem da BNCC

A BNCC na educação infantil ainda estabelece os direitos de aprendizagem e desenvolvimento da criança, que são:

1. Conviver

Toda criança tem o direito de conviver com outras crianças e adultos. Ela deve usar diferentes linguagens nessa relação para ampliar o conhecimento sobre si mesma e sobre o outro.

2. Brincar

A criança deve brincar em diferentes espaços e tempos, com diferentes crianças. Esse direito de aprendizagem da BNCC estimula a imaginação, criatividade, experiências emocionais e sensoriais, por meio do acesso a produções culturais.

3. Participar

A criança deve participar ativamente do planejamento da gestão da escola e das atividades propostas pelos professores. Isso inclui a escolha das brincadeiras, dos materiais e dos ambientes. Esse direito de aprendizagem da BNCC estimula a criança a desenvolver diferentes linguagens por meio da expressão de decisões e posicionamentos.

4. Explorar

A criança deve explorar movimentos, gestos, sons, formas, texturas, cores, palavras, emoções, relacionamentos, histórias, objetos e elementos da natureza, dentro e fora da escola. O objetivo é ampliar o conhecimento sobre artes, escrita, ciência e tecnologia.

5. Expressar

A criança deve conseguir expressar as emoções, sentimentos, dúvidas, hipóteses, descobertas, opiniões e questionamentos com a ajuda de diferentes linguagens.

6. Conhecer-se

A partir do autoconhecimento, a criança deve construir uma identidade pessoal e ter uma imagem positiva de si mesma. O conhecer-se se dá nas experiências de cuidados, interações, brincadeiras e linguagens vivenciadas dentro e fora da escola.

Os 6 direitos de aprendizagem da BNCC asseguram as condições para que as crianças aprendam de forma ativa e entendam o mundo que as cerca.

Os 5 campos de experiência da BNCC

As orientações para o currículo da educação infantil na BNCC se apoiam em cinco campos de experiências, em que são definidos os objetivos de aprendizagem e desenvolvimento.

Os campos de experiência da BNCC são um arranjo curricular que aborda as situações e experiências concretas do dia a dia da criança, relacionando-as aos demais conhecimentos. Eles são:

1. O eu, o outro e o nós

As crianças devem interagir entre si e com adultos para criar percepções sobre si mesmas e sobre os outros. A escola deve criar oportunidades de contato com diferentes culturas e grupos sociais, para o estudante ampliar sua percepção sobre o mundo e valorizar as diferenças.

2. Corpo, gestos e movimentos

É por meio do corpo que as crianças exploram o mundo ao seu redor. Por isso as escolas devem estimular os pequenos a experimentarem diferentes movimentos, gestos, olhares, sons e mímicas com o corpo. Alguns dos movimentos que podem ser explorados são:

  • Sentar com apoio
  • Rastejar
  • Engatinhar
  • Escorregar
  • Caminhar apoiando-se em berços, mesas e cordas
  • Saltar
  • Escolar
  • Equilibrar-se
  • Correr
  • Dar cambalhotas
  • Alongar-se
3. Traços, sons, cores e formas

A escola deve possibilitar que a criança interaja com diferentes manifestações artísticas, culturais e científicas. É nessa interação que ela desenvolvera a sensibilidade, a criatividade e a expressão. Os estudantes também devem ser estimulados a criarem as próprias produções artísticas.

4. Escuta, fala, pensamento e imaginação

A escola deve promover experiências que permitam que as crianças falem e ouçam. Elas também devem ser estimuladas a se envolverem com a cultura escrita. Os pequenos devem conhecer as primeiras letras e desenvolverem uma escrita espontânea, entendendo que a escrita é um sistema de representação da língua.

O educador deve permitir o contato com a literatura infantil e apresentar os diferentes gêneros literários. Outra mediação importante envolve a diferenciação entre ilustração e escrita.

5. Espaços, tempos, quantidades, relações e transformações

As crianças devem passar por experiências que possibilitem fazer observações, manipular objetos, levantar hipóteses e consultar fontes de informação para buscar respostas.

O último campo de experiência da BNCC tem relação com o conhecimento matemático, ao permitir que as crianças desenvolvam:

  • Contagem
  • Ordenação
  • Relações entre quantidades
  • Dimensões, medidas, comparação de pesos e de comprimentos
  • Avaliação de distâncias
  • Reconhecimento de formas geométricas
  • Conhecimento e reconhecimento de numerais cardinais e ordinais

A BNCC no ensino fundamental

No ensino fundamental, a BNCC propõe a construção de uma relação entre as experiências vividas na educação infantil e novas formas de construção do conhecimento. O estudante ainda irá formular hipóteses, fazer testes e formular conclusões.

É nessa fase que a criança desenvolverá maior autonomia, expressão oral e escrita. Os pensamentos crítico, lógico e criativo devem ser estimulados, por meio do desenvolvimento da capacidade de fazer perguntas e avaliar respostas, argumentar e interagir com colegas e produções culturais.

A BNCC para o ensino fundamental prevê que os dois anos iniciais tenham como foco a alfabetização. Nos anos seguintes, a progressão de conhecimento se dá pela consolidação de aprendizagens anteriores e ampliação de práticas de linguagem. Para os anos finais, a Base orienta que os estudantes passem por desafios de maior complexidade.

As 5 áreas do conhecimento da BNCC do ensino fundamental

O ensino fundamental na BNCC é organizado em 5 áreas do conhecimento, que, combinadas, contribuem para a formação integral do estudante:

  1. Linguagens: nos anos iniciais (1º ao 5º ano), tem como componentes curriculares Língua Portuguesa, Arte e Educação Física. A Língua Inglesa é incorporada nos anos finais (6º ao 9º ano).
  2. Matemática
  3. Ciências da Natureza
  4. Ciências Humanas: tem como componentes curriculares a Geografia e a História
  5. Ensino Religioso

Cada uma das áreas do conhecimento da BNCC tem competências específicas que devem ser desenvolvidas por todo o estudante ao longo dos 9 anos de ensino fundamental. São elas que permitem uma articulação entre as áreas e a progressão dos anos iniciais para os finais.

Cada componente curricular, por sua vez, reúne uma série de habilidades, representadas pelos códigos alfanuméricos, que estão relacionadas a diferentes objetos de conhecimento. Estes são organizados em unidades temáticas.

A BNCC no ensino médio

A BNCC do ensino médio foi aprovada em 2018 e deve passar a vigorar em 2022. Ela integra o processo de implementação do Novo Ensino Médio, modelo de aprendizagem que oferece a opção por uma formação profissional e técnica ao estudante, dentro da carga horária regular.

O principal objetivo da BNCC para o ensino médio é garantir a permanência e aprendizagem do estudante, que deve se sentir acolhido pela escola. A Base ainda orienta que os estudantes tenham maior autonomia e que os conhecimentos adquiridos na educação formal os ajudem a definir um projeto de vida.

A consolidação e aprofundamento do conhecimento adquirido nas etapas anteriores é fundamental aqui. Para isso, é preciso ter em mente que todo indivíduo pode aprender e alcançar seus objetivos, independentemente de sua trajetória e características pessoais.

Segundo a BNCC, as instituições de ensino que recebem adolescentes devem:

  • Garantir o protagonismo dos estudantes no processo de ensino e aprendizagem;
  • Valorizar os papéis sociais desempenhados pelos jovens;
  • Dar tempo e espaço para os estudantes refletirem sobre as próprias experiências e aprendizados;
  • Promover a aprendizagem colaborativa e o trabalho em equipe;
  • Estimular atitudes cooperativas e propositivas para enfrentar os desafios da contemporaneidade;
  • Contextualizar os conhecimentos apresentados a partir das dimensões do trabalho, da ciência, da tecnologia e da cultura;
  • Dar acesso às bases científicas e tecnológicas dos processos de produção, relacionando teoria e prática;
  • Promover a cultura do empreendedorismo, da cidadania e da inclusão;
  • Ajudar os estudantes a reconhecerem as próprias potencialidades e vocações.

As 4 áreas do conhecimento da BNCC do ensino médio

A separação do conteúdo em 4 áreas do conhecimento na BNCC do ensino médio tem como objetivo evidenciar as relações entre as disciplinas, além de contextualizá-las com o dia a dia do estudante. São elas:

  1. Linguagens e suas tecnologias: arte, educação física, língua inglesa e língua portuguesa;
  2. Matemática e suas tecnologias: matemática
  3. Ciências da natureza e suas tecnologias: biologia, física e química;
  4. Ciências humanas e sociais aplicadas: história, geografia, filosofia e sociologia.

Como montar um plano de aula alinhado à BNCC

Um plano de aula que segue a BNCC deve prever a área do conhecimento, o componente curricular, as competências e habilidades específicas. Lembre-se de que você não precisa decorar a Base por completo, ela foi feita para ser consultada por todo educador. Você pode, inclusive, baixar em PDF as seções serão consultadas pelo site do MEC.

Como todo plano de aula, você deve incluir os seguintes pontos:

  1. Escolha o tema e indique a área do conhecimento da BNCC a que ele corresponde. No caso da educação infantil, sinalize o campo de experiência.
  2. Especifique o componente curricular da BNCC, caso esteja montando um plano de aula para o ensino fundamental ou médio.
  3. Estabeleça os objetivos, competências e habilidades previstos na BNCC que serão desenvolvidos em aula.
  4. Delimite o tempo que será dedicado a cada tópico do conteúdo.
  5. Escolha os recursos pedagógicos que serão usados, de acordo com as possibilidades da instituição de ensino e com as características da turma.
  6. Defina a metodologia que será empregada. Se precisar de ideias, conheça 7 metodologias ativas que podem ser usadas em sala.
  7. Estabeleça as regras de avaliação e explicite-as para os estudantes.
  8. Não se esqueça de incluir as referências bibliográficas, as fontes que você consultou para definir o conteúdo da aula.

Caso sinta que precisa de mais exemplos, confira este artigo sobre como montar um plano de aula de matemática de acordo com a BNCC.

Como citar a BNCC, de acordo com a ABNT

É importar listar a BNCC nas referências do seu plano de aula. Se você consultou a Base para algum artigo científico, dissertação ou tese, ela também deve ser referenciada.

Como a Base foi elaborada por um órgão do governo federal, o Ministério da Educação, é preciso seguir a mesma lógica da ABNT para documentos oficiais e portarias. A referência da BNCC pelas regras ABNT deve ser feita assim:

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

Se achar necessário, ao final você pode incluir o link com o PDF da BNCC e o dia de acesso, mas não é obrigatório.

Quando for citar algum trecho da BNCC, os padrões da ABNT são:

  • Citação indireta em frase: Brasil (2018)
  • Citação direta: (BRASIL, 2018, p. XX)

Esperamos que este guia com um resumo da BNCC ajude no seu dia a dia em sala de aula. Compartilhe conosco suas experiências com a Base nos comentários!

Sobre o autor

Olívia Baldissera

Jornalista e historiadora. É analista de conteúdo da Pós Educação Unisinos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página.

Acompanhe a transformação na Educação.

Confira os últimos artigos sobre inovação, metodologias de ensino e aprendizagem e carreira docente que preparamos para você.

Plano de fundo esquerdo dos posts relacionados
Plano de fundo direito dos posts relacionados