<iframe src="https://www.googletagmanager.com/ns.html?id=GTM-KTJBCW6" height="0" width="0" style="display:none;visibility:hidden">
Plano de fundo esquerdo do banner

Carreira

Novo Ensino Médio: itinerários formativos, projeto de vida e principais mudanças

Confira um resumo das principais mudanças do Novo Ensino Médio e prepare-se para a implementação da nova estrutura curricular

Carreira

Tempo de leitura: 9 min
Newsletter

O Novo Ensino Médio começa a ser implementado em 2022 em todo o país e vai mudar a vida escolar de mais de 7 milhões de estudantes. Confira tudo o que você precisa saber sobre o assunto.

Vinte e três dos 27 estados brasileiros já apresentaram os currículos de referência aos conselhos estaduais para aprovação e pelo menos 17 já foram homologados, segundo o Observatório da implementação da BNCC e do Novo Ensino Médio.

Os currículos elaborados pelos estados foram construídos a partir da Base Nacional Curricular Comum (BNCC) e das orientações do Ministério da Educação (MEC) para os itinerários formativos. Eles são fruto de mudanças implementadas a partir da Lei nº 13.415/2017, que definiu uma nova organização curricular para o ensino médio.

As alterações na estrutura desse nível educacional receberam o nome de Novo Ensino Médio, assunto que ainda desperta dúvidas entre os profissionais da educação. Aqui você encontrará um resumo das principais mudanças que entram em vigor em 2022.

Neste guia sobre o Novo Ensino Médio, você irá ver:

  1. O que é o Novo Ensino Médio
    1.1 O que muda no Novo Ensino Médio
    1.2 Quando o Novo Ensino Médio entra em vigor
    1.3 A BNCC e o Novo Ensino Médio
    1.4 Como fica o Enem no Novo Ensino Médio
  2. O que são os itinerários formativos do Novo Ensino Médio
    2.1 Tipos de itinerários formativos
    2.2 Os objetivos dos itinerários formativos
    2.3 Os 4 eixos estruturantes dos itinerários formativos
    2.4 Como funciona a formação técnica e profissional no Novo Ensino Médio
  3. O que é o projeto de vida no Novo Ensino Médio
    3.1 As 3 dimensões do projeto de vida no Novo Ensino Médio
  4. Como as escolas podem se adequar ao Novo Ensino Médio

CTA: Faça uma pós graduação com quem está reinventando a educação! Matricule-se Já!

O que é o Novo Ensino Médio

O Novo Ensino Médio é uma mudança estrutural que dá mais flexibilidade à etapa do ensino médio. Ela foi implementada com a Lei nº 13.415/2017, que alterou a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Em 2018, as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (DCNEM) foram atualizadas pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) para contemplar as mudanças.

Foi estabelecido um aumento no tempo mínimo do estudante na escola, que passou de 800 horas para 1000 horas anuais até 2022. A expectativa é que, progressivamente, a carga horária chegue a 1400 horas por ano.

Outra mudança importante foi na organização curricular, que se tornou mais flexível com a adoção da BNCC. O objetivo é aproximar as escolas da realidade dos estudantes, criando uma conexão entre os jovens e as demandas da vida em sociedade.

Dessa forma, o Novo Ensino Médio coloca os estudantes no centro da aprendizagem, contribuindo para uma formação integral que permita aos adolescentes resolverem situações complexas do cotidiano, exercerem a cidadania e continuarem os estudos. Os estudantes são estimulados a desenvolverem autonomia, protagonismo e responsabilidade sobre suas escolhas.

O que muda no Novo Ensino Médio

As principais mudanças do Novo Ensino Médio são:

1. Carga horária

Aumento da carga horária anual obrigatória, que passa de 800 para pelo menos 1000 horas. Isso significa que cada estudante deve permanecer, no mínimo, cinco horas por dia na escola, o que dá um ano letivo de 200 dias. O Novo Ensino Médio prevê a ampliação progressiva para 7 horas diárias, mas não há um prazo para que isso aconteça.

Ao final de três anos, o estudante deve ter completado 1800 horas de formação básica e 1200 de itinerário formativo. A legislação permite que 30% da carga horária seja completada com aulas remotas no ensino médio noturno. Para o ensino médio diurno, é permitido que 20% das aulas sejam à distância.

2. Áreas do conhecimento

O formato convencional de disciplinas é substituído pelas áreas do conhecimento, estabelecidas pela BNCC. O conteúdo é dividido de forma parecida ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem):

  1. Linguagens e suas tecnologias: arte, educação física, língua inglesa e língua portuguesa;
  2. Matemática e suas tecnologias: matemática
  3. Ciências da natureza e suas tecnologias: biologia, física e química;
  4. Ciências humanas e sociais aplicadas: história, geografia, filosofia e sociologia.

Repare que nenhuma disciplina foi excluída. A proposta do Novo Ensino Médio é evidenciar a relação entre elas e mostrar sua relação com a vida do estudante.

A nova estrutura prevê uma formação geral básica, que abrange as competências e habilidades previstas na BNCC para as 4 áreas do conhecimento. Ela deve corresponder a 60% da carga horária do estudante, que poderá escolher em quais matérias irá se aprofundar mais nos 40% restante.

Das disciplinas convencionais, Língua Portuguesa e Matemática serão obrigatórias nos três anos de ensino médio. A carga horária das demais varia de acordo com o itinerário formativo escolhido.

3. Itinerários formativos

O estudante escolhe parte das matérias que irá cursar. Pelo menos 60% da carga horária deve ser dedicada a unidades curriculares comuns, enquanto 40% aos itinerários formativos. Estes já são ofertados em 2022, mas só serão obrigatórios em 2023. Explicamos mais sobre os itinerários formativos do Novo Ensino Médio aqui.

4. Projeto de vida

É um componente transversal ao currículo, que deve ser oferecido pelas escolas para ajudar os adolescentes a construírem planos para o futuro. Trazemos mais detalhes sobre o projeto de vida do Novo Ensino Médio aqui.

5. Organização das unidades curriculares

Cada escola poderá definir o formato, a duração e o local das atividades escolares. Os formatos podem ser:

  • Disciplinas
  • Módulos
  • Cursos
  • Núcleos de estudos
  • Observatórios
  • Núcleos de criação artística
  • Incubadoras
  • Laboratórios
  • Clubes
  • Projetos
  • Oficinas

A duração das unidades curriculares pode ser anual, semestral ou bimestral. Por último, o local pode ser, além da própria escola, uma instituição credenciada:

  • Curso técnico
  • Estágio ou trabalho supervisionado
  • Curso de idioma
  • Trabalho voluntário
6. Certificado de conclusão no Novo Ensino Médio

Ao concluir o ensino médio, o estudante receberá certificados que demonstram as competências e habilidades da formação geral básica e dos itinerários formativos.

Quando o Novo Ensino Médio entra em vigor

As mudanças previstas pelo Novo Ensino Médio começam em 2022 no 1º ano dessa etapa de ensino. O 2º ano adotará a nova estrutura em 2023 e o 3º, em 2024. As mudanças valem para escolas da rede pública e privada de todo o Brasil.

A BNCC e o Novo Ensino Médio

A reestruturação do currículo do ensino médio prevê que as competências e habilidades da BNCC constituam a formação geral básica, que deve ser articulada aos itinerários formativos. A Base também aborda o projeto de vida e o uso das tecnologias digitais de informação e comunicação (TDIC).

A formação geral básica no Novo Ensino Médio deve abranger:

  • Língua portuguesa, assegurada às comunidades indígenas, também, a utilização das respectivas línguas maternas;
  • Matemática;
  • Conhecimento do mundo físico e natural e da realidade social e política, especialmente do Brasil;
  • Arte, especialmente em suas expressões regionais, desenvolvendo as linguagens das artes visuais, da dança, da música e do teatro;
  • Educação física;
  • História do Brasil e do mundo;
  • História e cultura afro-brasileira e indígena, em especial nos estudos de arte e de literatura e história brasileiras;
  • Sociologia e filosofia;
  • Língua inglesa. Outras línguas estrangeiras podem ser oferecidas como conteúdo optativo.

Como fica o Enem no Novo Ensino Médio

O Enem será adaptado ao Novo Ensino Médio em 2024, de acordo com o cronograma do MEC. A expectativa é de que o exame seja realizado em duas etapas, sendo a primeira uma prova comum, abrangendo o conteúdo previsto na BNCC, e a segunda uma prova por itinerário formativo.

O que são os itinerários formativos do Novo Ensino Médio

Os itinerários formativos do Novo Ensino Médio são um conjunto de situações e atividades educativas escolhidas pelos próprios estudantes, com o objetivo de aprofundar a aprendizagem em uma ou mais área de conhecimento ou na Formação Técnica Profissional (FTP). A carga horária total mínima é de 1200 horas.

As escolas da rede pública e privada têm autonomia para definir a quantidade e o conteúdo dos itinerários formativos, que já poderão ser iniciados no 1º ano. As instituições de ensino brasileiras têm até 2023 para disponibilizar os itinerários aos estudantes.

O discente poderá mudar de itinerário durante os três anos do Novo Ensino Médio, caso haja vagas disponíveis. A ideia é que ele se sinta motivado a dar continuidade aos estudos, além de se sentir mais bem preparado para atuar no mundo do trabalho.

É papel da escola apoiar a escolha dos estudantes, por isso ela deve definir regras explícitas sobre o funcionamento e os objetivos de cada um dos itinerários formativos. Ela também deve ajudar os adolescentes a identificarem interesses, aptidões e objetivos, para que eles façam uma escolha adequada aos seus projetos de vida.

Tipos de itinerários formativos

O Novo Ensino Médio prevê 3 tipos de itinerários formativos:

  1. Por área do conhecimento;
  2. Formação técnica e profissional;
  3. Integrado: combinam mais de uma área do conhecimento e podem ser complementados por formação técnica e profissional.

Os estudantes devem ter acesso a mais de um tipo de itinerário formativo. Por isso, o Novo Ensino Médio prevê que estados devam garantir a oferta de mais de um itinerário por município.

Os objetivos dos itinerários formativos

Os itinerários formativos do Novo Ensino Médio têm 4 objetivos:

  1. Aprofundar as aprendizagens relacionadas às competências gerais, às áreas de conhecimento e à formação técnica e profissional;
  2. Consolidar a formação integral do jovem, que deve desenvolver autonomia para realizar seu projeto de vida;
  3. Promover valores universais, como ética, liberdade, democracia, justiça social, pluralidade, solidariedade e sustentabilidade;
  4. Desenvolver habilidades para ter uma visão de mundo ampla e heterogênea, tomar decisões e saber agir em diferentes contextos.

Os 4 eixos estruturantes dos itinerários formativos

Os eixos estruturantes são complementares, por isso é importante que os itinerários formativos propostos pelas escolas incorporem e integrem todos eles. Isso permite que o estudante experimente diferentes situações de aprendizagem e, assim, tenha uma formação integral.

Os 4 eixos estruturantes dos itinerários formativos do Novo Ensino Médio são:

1. Investigação científica

O estudante deve desenvolver a capacidade de investigar e compreender a realidade, por meio de práticas e produções científicas. Ele irá se aprofundar em conceitos fundantes da ciência para interpretar ideias, fenômenos e processos

O foco pedagógico desse eixo estruturante é a pesquisa científica, que pressupõe a identificação de um problema, formulação de hipóteses, testes e propostas de solução.

2. Processos criativos

Para capacitar os estudantes a idealizar e realizar projetos criativos, serão aprofundados os conhecimentos sobre artes, cultura, mídias e ciências aplicadas. O objetivo é ampliar as habilidades relacionadas ao pensar e fazer criativo.

O foco pedagógico é a realização de um projeto criativo, que envolve o uso de diferentes linguagens. Além de obras e espetáculos artísticos, os adolescentes são estimulados a criar peças de comunicação, aplicativos, jogos, softwares e robôs. O produto final do projeto deve oferecer uma solução a um problema.

3. Mediação e intervenção sociocultural

Por meio de projetos que contribuam com a sociedade e o meio ambiente, o estudante aprofundará o conhecimento sobre questões que afetam a vida de todos os seres humanos. Ele deve desenvolver a capacidade de mediar conflitos e propor soluções para problemas socioculturais e ambientais de sua comunidade.

4. Empreendedorismo

O estudante deve adquirir habilidades para empreender projetos pessoais ou produtivos relacionados ao seu projeto de vida. Por meio do autoconhecimento, ele irá desenvolver autonomia, foco e determinação para planejar e conquistar objetivos pessoais.

Como funciona a formação técnica e profissional no Novo Ensino Médio

A formação técnica e profissional do Novo Ensino Médio prevê o desenvolvimento de habilidades específicas de acordo com as ocupações previstas no Catálogo Nacional de Cursos Técnicos (CNCT) e na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO).

Os itinerários formativos dessa categoria têm como objetivo preparar o estudante para o mundo do trabalho. Eles podem ser voltados a:

  • Qualificação profissional: desenvolvimento de competências relacionadas ao perfil profissional listado no CBO;
  • Habilitação profissional técnica de nível médio: formação reconhecida por meio de diploma em um curso listado no CNCT;
  • Formações experimentais: formação profissional ainda não reconhecida formalmente, que deve ser incluída no CNCT no prazo de 6 meses a 5 anos.

É preciso lembrar que, com as alterações de 2017 na LDB, profissionais com notório saber podem atuar como docentes no itinerário de formação profissional e técnica. Isso significa que os estudantes poderão aprender com quem tem experiência no mercado, desde que eles sejam reconhecidos pelos sistemas de ensino para dar aulas sobre o tema.

O que é o projeto de vida no Novo Ensino Médio

Falamos bastante sobre ele ao longo do texto, não é mesmo? Previsto na BNCC, o projeto de vida no Novo Ensino Médio é uma competência geral e, ao mesmo tempo, um componente curricular transversal. Ele é definido na Base como o eixo central em torno do qual toda escola deve organizar as práticas educativas. Para os estudantes, o projeto de vida representa o que eles almejam, planejam e definem para si mesmos ao longo de sua trajetória.

Na prática, o projeto de vida ajuda os adolescentes a decidirem sobre o futuro profissional e pessoal, como a escolha do curso universitário. Para isso, eles devem desenvolver habilidades como cooperação, compreensão, saber defender suas ideias, dominas tecnologias e analisar o mundo ao redor.

O Novo Ensino Médio torna o projeto de vida obrigatório em todas as escolas, que devem oferecer apoio e orientação. Não há uma determinação sobre qual profissional deve realizar esta função, que pode ser exercida por um psicólogo, psicopedagogo, pedagogo e demais profissionais da educação.

As 3 dimensões do projeto de vida no Novo Ensino Médio

O profissional da educação que orientar a construção do projeto de vida de cada estudante deve abordá-lo sob 3 dimensões diferentes:

1. Pessoal

Os adolescentes fazem uma jornada de autoconhecimento para se reconhecerem como sujeitos, saberem o que gostam, identificarem o que desejam e as habilidades que possuem. É nesta dimensão que o jovem desenvolve a inteligência emocional, a autoestima e o controle dos sentimentos.

2. Social

O estudante desenvolve as relações interpessoais, reconhece-se como cidadão e entende seu papel na sociedade. Faz parte do projeto de vida do Novo Ensino Médio mostrar ao adolescente que ele pode contribuir com a solução de problemas coletivos, da comunidade em que mora ao planeta Terra.

3. Profissional

Na última dimensão do projeto de vida, o adolescente desenvolve as habilidades necessárias para atender as demandas do mercado de trabalho. Ele tem contato com temas como criatividade, novas tecnologias, empreendedorismo e habilidades socioemocionais.

Como escolas e professores podem se adequar ao Novo Ensino Médio

Escolas da rede pública e privada de ensino de todo o país devem estar adequadas ao Novo Ensino Médio no início do ano letivo de 2022. Para isso, é preciso conhecer a realidade da comunidade escolar e as necessidades dos estudantes atendidos.

Não existe uma única forma de adequar a sua escola ao Novo Ensino Médio. Aqui você encontra algumas orientações gerais e documentos importantes que vão facilitar muito esse processo.

O primeiro passo é montar um grupo de estudos com professores, coordenadores e demais gestores pedagógicos para estudar os documentos que norteiam o Novo Ensino Médio. É importante ler com atenção:

Lei n.º 13.415/2017

Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (DCNEM)

BNCC do Ensino Médio

Guia de implementação do Novo Ensino Médio do MEC

Em seguida, façam um diagnóstico da instituição, para entender a situação atual da estrutura e a composição do corpo docente. É importante pensar que mais horas-aula deverão ser previstas, pois a carga horária do Novo Ensino Médio é maior. Alguns dias com previsão de contraturno são uma solução.

O Projeto Político Pedagógico (PPP) e o currículo também precisam ser revisados. Como nem todos os estados homologaram o currículo do Novo Ensino Médio nos conselhos, é preciso manter contato com as secretarias de educação para receber as orientações necessárias.

Já os professores devem focar na formação continuada. Além de cursos oferecidos pelos estados e municípios, é importante procurar especializações que preparem os educadores para formar cidadãos capazes de atender as exigências do século 21.


Esperamos que este resumo das principais mudanças do Novo Ensino Médio ajude o seu trabalho de gestão escolar ou dentro da sala de aula. Compartilhe conosco nos comentários como tem sido sua experiência de adaptação.

Sobre o autor

Olívia Baldissera

Jornalista e historiadora. É analista de conteúdo da Pós Educação Unisinos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página.

Acompanhe a transformação na Educação.

Confira os últimos artigos sobre inovação, metodologias de ensino e aprendizagem e carreira docente que preparamos para você.

Plano de fundo esquerdo dos posts relacionados
Plano de fundo direito dos posts relacionados