Plano de fundo esquerdo do banner

Ensino e aprendizagem

Entenda a diferença entre recuperação, reforço escolar e recomposição de aulas

Saiba diferenciar os conceitos e entenda como essas práticas são aplicadas no dia a dia escolar.

Ensino e aprendizagem

Tempo de leitura: 3 min
Newsletter

Você sabe a diferença entre recuperação, reforço escolar e recomposição de aulas?

Por mais que esses termos sejam usados como sinônimos muitas vezes, eles possuem significados e aplicações distintas.

Neste artigo, explicaremos mais sobre cada um deles e destacaremos a importância dessas práticas para a formação do aluno. Aqui você vai conferir:

 

Recuperação: retomada de conteúdo e/ou habilidade
Reforço escolar: aprofundando conteúdos
Recomposição: uma resposta à pandemia
O papel do educador no reforço da aprendizagem

CTA: Faça uma pós graduação com quem está reinventando a educação! Matricule-se Já!

Recuperação: retomada de conteúdo e/ou habilidade

A recuperação é a prática que busca retomar um conteúdo e/ou habilidade de um ou mais alunos que não obtiveram o desempenho esperado.

Ela costuma ser aplicada ao final do processo de ensino e aprendizagem. Por isso, em geral, a recuperação acontece ao final do ano letivo ou no início do próximo, durante o recesso de janeiro.

Atualmente, esse formato pontual de retomada dos conhecimentos não é visto como a melhor opção para garantir aprendizagem dos estudantes.

O indicado é que o processo de trabalhar as dificuldades dos alunos ocorra ao longo de todo o ano – e não apenas ao final do período letivo.

Ou seja, as estratégias de recuperação devem acontecer durante todo o ano letivo e não apenas no fechamento de ciclos.

Contudo, ainda é muito comum encontrar a recuperação como prática regular em diversas instituições de ensino.

Reforço escolar: aprofundando conteúdos

O reforço escolar, por sua vez, consiste no aprofundamento de um conteúdo e/ou habilidade. Ele é voltado para um ou mais alunos que estão com maior dificuldade durante um processo de ensino e aprendizagem.

Diferente da recuperação, o reforço ocorre ao longo de todo o ano letivo — normalmente no contraturno escolar. Já nos casos em que o contraturno não é possível, o reforço pode ser feito nas aulas regulares.

Essa prática pedagógica possui uma série de recomendações. Por exemplo, é uma boa alternativa não repetir estratégias já utilizadas em sala de aula, e sim oferecer outras propostas que permitam o avanço do aluno.

Caminhos interessantes para isso são investir no uso de agrupamentos, em trabalho colaborativo e nas metodologias ativas.

Além disso, também é essencial que os educadores evidenciem que o reforço não é uma punição ou algo apenas para alunos “mais fracos”.

O reforço tem que ser visto pela comunidade escolar como uma iniciativa para contribuir com o processo de aprendizagem.

É uma das práticas mais eficazes para o aprendizado dos alunos, garantindo um espaço para sanar dúvidas, praticar os pontos que têm problemas, ou mesmo se preparar para uma avaliação.

Recomposição: uma resposta à pandemia

E a recomposição de aprendizagem, o que significa?

Diferente do reforço e da recuperação, que existem há tempos na rotina escolar, a recomposição surgiu como uma resposta aos impactos da pandemia da Covid-19.

A pandemia intensificou desafios que já existiam na educação, sendo necessário articular ações para reordenar e impulsionar as aprendizagens.

Nesse período de crise sanitária, muitos estudantes tiveram seu processo de aprendizagem prejudicado — seja por ficarem períodos sem aulas, não se adaptar ou não ter as tecnologias adequadas para acompanhar as aulas ou até mesmo por razões emocionais, frente ao isolamento.

Seja o que for, ficou evidente que a pandemia provocou uma defasagem de aprendizados em estudantes de diversos níveis de ensino.

Sendo assim, educadores e estudiosos da área mobilizaram-se para encontrar uma alternativa pedagógica que atenuasse esse impacto negativo da pandemia e recuperasse os conhecimentos que ficaram para trás. Com isso, surgiu a prática da recomposição de aprendizagens.

Ela envolve ações como acolhimento, priorização curricular, estratégias avaliativas, adaptação das práticas pedagógicas para pensar quais arranjos didáticos utilizar, avaliação diagnóstica, formação de professores e acesso a materiais didáticos adequados.

É a soma dessas ações, e outras que cada rede julgar como necessárias para sua realidade, que formam a recomposição de aprendizagens.

O principal objetivo dessa prática é acelerar o processo de ensino e aprendizagem considerando alunos em diferentes níveis de aprendizagem. Afinal, o acesso à educação foi desigual ao longo da pandemia.

O papel do educador no reforço da aprendizagem

Cada aluno tem um processo de aprendizagem e um domínio de habilidades distintos.

Sendo assim, é comum que algum estudante ou grupo tenha mais dificuldade com determinados conteúdos ou competências do que outros. Isso faz parte da dinâmica escolar.

Cabe ao educador saber identificar e acolher esses diferentes níveis de aprendizagem e implementar as melhores práticas pedagógicas para atenuar as dificuldades dos estudantes.

E uma forma dos educadores aperfeiçoarem essa habilidade é investindo em sua formação e ficando por dentro de todas novidades do mundo da educação.

Aqui Pós Educação Unisinos, contamos com um portfólio de cursos de especialização EAD, que garantem flexibilidade e qualidade para você ampliar o seu conhecimento.

Conheça mais sobre os quatro cursos que oferecemos:

Comece hoje a adicionar novas linhas de qualificação no seu currículo!

Sobre o autor

Redação

Conteúdo para quem quer inovar em sala de aula. Vamos juntos reinventar a educação?

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página.

Acompanhe a transformação na Educação.

Confira os últimos artigos sobre inovação, metodologias de ensino e aprendizagem e carreira docente que preparamos para você.

Plano de fundo esquerdo dos posts relacionados
Plano de fundo direito dos posts relacionados