<iframe src="https://www.googletagmanager.com/ns.html?id=GTM-KTJBCW6" height="0" width="0" style="display:none;visibility:hidden">
Plano de fundo esquerdo do banner

Carreira

5 práticas pedagógicas para estimular o aprendizado das suas turmas

As práticas pedagógicas são ações conscientes e participativas que visam a atender expectativas educacionais de uma determinada comunidade.

Carreira

Tempo de leitura: 7 min
Newsletter

Conquistar a atenção dos estudantes sempre foi uma preocupação para professores de todos os níveis educacionais. A tarefa se tornou mais desafiadora com os smartphones e as redes sociais, que competem pelo interesse dessa geração de nativos digitais. 

Por isso a importância de repensar práticas pedagógicas a todo instante. Elas precisam ser adaptadas de acordo com o contexto e as demandas dos estudantes. 

Vamos apresentar para você uma lista de práticas pedagógicas que vai ajudar a engajar as suas turmas no aprendizado. Mas, antes, é preciso entender o conceito, que muitas vezes é confundido com o de prática docente. 

Você vai ver por aqui: 

  1. O que são práticas pedagógicas 
    1.1 A diferença entre práticas pedagógicas e prática docente 
  2. Como desenvolver práticas pedagógicas em 5 ações 
  3. 5 práticas pedagógicas para levar para sala de aula 
    3.1 Estimular o diálogo entre os estudantes 
    3.2 Acompanhar estudantes com dificuldades de aprendizagem 
    3.3 Propor situações-problemas para a turma resolver em conjunto 
    3.4 Incluir a leitura na rotina de estudos dos estudantes 
    3.5 Levar experimentos para a sala de aula

CTA: Faça uma pós graduação com quem está reinventando a educação! Matricule-se Já!

O que são práticas pedagógicas

Antes de partirmos para uma definição, é preciso lembrar que o conceito de prática pedagógica está em constante atualização para acompanhar as mudanças da sociedade. 

Aqui, vamos adotar o conceito da pedagoga e pesquisadora Maria Amélia do Rosario Santoro Franco, exposto em artigo científico de 2016.

As práticas pedagógicas são ações conscientes e participativas que visam a atender expectativas educacionais de uma determinada comunidade. Elas servem para organizar, potencializar e interpretar as intencionalidades de um projeto educativo. 

Em outras palavras, a função das práticas pedagógicas é facilitar e promover a aprendizagem entre os discentes. Isso envolve: 

  • A formação docente;
  • Os espaços-tempos da escola;
  • O contexto sociocultural de cada estudante;
  • A maneira como o professor organiza seu trabalho;
  • As expectativas do professor e dos estudantes;
  • Técnicas didáticas e metodologias de ensino;
  • Impactos sociais e culturais na vida da comunidade escolar.

Dessa forma, as práticas pedagógicas contribuem para os processos de concretização do aprendizado, ao lado do planejamento de ensino e da didática. 

Tudo isso parece meio abstrato, não é? 

Pense no seu dia a dia em sala de aula. Você se esforça para planejar e realizar atividades que ajudem sua turma a aprender o conteúdo proposto. 

E se preocupa que a aula faça sentido para os estudantes, que eles entendam o porquê de aprenderem funções matemáticas, polinização ou Revolução Francesa. 

Mais do que boas notas, você deseja que, no final do ano, os estudantes tenham aprendido o necessário para serem cidadãos críticos e conscientes que contribuem com a sociedade. Se eles não tiverem assimilado o conteúdo proposto, provavelmente você vai rever seu planejamento e pensar em novas estratégias de ensino. 

Sua ação e intenção em prol do desenvolvimento global de cada um dos seus estudantes são práticas pedagógicas. 

A diferença entre práticas pedagógicas e prática docente

Nem sempre uma prática docente pode ser considerada uma prática pedagógica. Quando a atuação do professor se resume a passar a lição e corrigir provas, ela não é pedagógica, mas tecnicista. 

A prática docente se torna pedagógica quando o professor entende como sua aula contribui para a formação acadêmica e crítica do estudante. O educador está preocupado com as necessidades dos discentes e faz questão de construir o aprendizado. 

Ou seja, o professor tem uma prática docente pedagogicamente fundamentada quando acredita em sua responsabilidade social. Ele sabe que seu trabalho significa algo para a vida do estudante, buscando se aprimorar como profissional da educação a todo momento. 

Por isso é comum ouvirmos que as práticas pedagógicas acontecem dentro e fora de sala de aula, por visarem à formação e o desenvolvimento humano global de crianças e jovens, indo além do saber técnico-científico. 

Como desenvolver práticas pedagógicas em 5 ações 

Agora que já falamos sobre o conceito, vamos entender como transformar o trabalho docente em prática pedagógica no dia a dia. 

Confira 5 atitudes que vão ajudar você a se aprimorar como educador:

  1. Troque experiências com os outros colegas professores. Saiba mais sobre a importância da colaboração entre pares neste artigo sobre a Educação do Futuro.
  2. Inclua metodologias ativas no seu plano de aula, como a gamificação.
  3. Coloque o estudante no centro do processo de ensino-aprendizagem. Ao longo do século 20, o professor deixou de ser o detentor do conhecimento e o discente, um ouvinte passivo.
  4. Conheça o contexto sociocultural em que suas turmas estão inseridas. Só assim você vai conseguir promover uma aprendizagem significativa.
  5. Aposte na formação continuada. É com cursos e especializações que você se manterá atualizado e conseguirá acompanhar as novas demandas educativas da sociedade. 

O desenvolvimento de práticas pedagógicas é um processo que não tem prazo para terminar. Tenha em mente que o aprimoramento de suas capacidades como educador é contínuo. 

5 práticas pedagógicas para levar para sala de aula

Não existe uma lista limitada de práticas pedagógicas que um professor pode seguir. Afinal, como escrevemos lá no começo, elas estão sempre se transformando para atenderem as demandas de uma sociedade cada vez mais conectada. 

As 5 práticas pedagógicos que você vai ver a seguir foram mapeadas pela Fundação Lemann, a partir de experiências de educadores que se destacaram no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e em olimpíadas do conhecimento. 

Elas servem como inspiração para o seu trabalho docente, independentemente da matéria que ensina. Você pode conferir mais detalhes de cada uma delas clicando aqui. 

1. Estimular o diálogo entre os estudantes

O professor deve fazer perguntas investigativas aos estudantes, que devem expor suas opiniões formular argumentos para debater com os demais colegas. O objetivo desta prática pedagógica é fazer com que a turma construa em conjunto novas possibilidades de aprendizagem, ao mesmo tempo que trabalham habilidades de comunicação. 

É preciso assumir um papel de mediador para garantir que todos os discentes tenham espaço para falar. Também é importante explicar como vai ser a dinâmica da aula e entender o que a turma já sabe sobre o conteúdo proposto. 

O mapeamento da Fundação Lemann traz dois exemplos de atividades que promovem o debate entre colegas. O primeiro é de Língua Portuguesa, em que estudantes discutiram uma notícia de jornal, conheceram a seção de Carta do Leitor e, por fim, escreveram um texto sobre a matéria. 

O segundo é de Matemática. Antes de dar as notas e apontar erros e acertos, o professor corrigiu a prova junto com a turma. Os estudantes conversaram sobre as questões, compararam a resolução e revisaram os conceitos matemáticos. 

2. Acompanhar estudantes com dificuldades de aprendizagem

O acompanhamento deve ser feito de forma sistemática, periódica e constante. A estratégia é planejar atividades que ofereçam diferentes oportunidades de aprendizagem para os estudantes. Para que ela seja posta em prática, secretarias municipais e estaduais, gestores e professores devem trabalhar juntos. 

O acompanhamento consiste em diagnóstico, intervenção e monitoramento durante todo o ano letivo, para que a recuperação das defasagens não se concentre apenas em novembro e dezembro. 

O processo pode ser resumido nos seguintes pontos:

  • Realização de simulados e avaliações para entender lacunas de compreensão e ajustar aulas futuras;
  • Planejar atividades em dupla ou em pequenos grupos, divididos de acordo com os resultados das avaliações;
  • Solicitar que os estudantes com melhor desempenho ajudem os colegas nas atividades em sala. O professor assume o papel de mediador e, assim, consegue dar mais atenção aos grupos com mais dificuldades.

Os trabalhos em grupo são importantes práticas pedagógicas por permitirem que colegas troquem conhecimento, sentimentos e emoções. Acontece uma troca horizontal entre os estudantes, que têm habilidades próximas, porém diferentes entre si. Cada um complementa os saberes do outro e, assim, a turma avança junta. 

3. Propor situações-problemas para a turma resolver em conjunto

A terceira prática pedagógica da lista também é considerada uma metodologia ativa. Ela incentiva os estudantes a recorrem a conhecimentos prévios e a debaterem entre si para encontrar a solução mais adequada ao problema proposto pelo professor. 

Mais uma vez, o docente deve fazer a mediação do debate entre os colegas, adotando as seguintes ações: 

  • Mobilizar o conteúdo já trabalhado em aulas anteriores que tem relação com a situação-problema;
  • Incentivar os estudantes a raciocinarem logicamente;
  • Orientar a turma a criar estratégias para encontrar a solução;
  • Pedir que a turma valide e verifique a estratégia proposta;
  • Garantir o respeito e o debate saudável de ideias entre os estudantes.

A metodologia passa parte da responsabilidade da aprendizagem ao discente, que também tem a oportunidade de desenvolver habilidades relacionadas à comunicação e escuta ativa. 

As pesquisadoras e educadoras matemáticas Norma Suely Gomes Allevato e Lourdes de la Rosa Onuchic propuseram um passo a passo para as atividades de resolução de problemas. Os 9 passos abaixo podem ser adaptados para outras matérias além da matemática:

  1. Preparação do problema: o professor seleciona um problema com o objetivo de construir um novo conceito, princípio ou procedimento;
  2. Leitura individual: cada estudante deve receber uma cópia do problema para ler individualmente o enunciado;
  3. Leitura em conjunto: em seguida, o professor deve dividir a turma em grupos. Todos leem o enunciado em conjunto;
  4. Resolução do problema: depois de verificar que não há dúvidas sobre o enunciado, o professor deve pedir aos alunos que pensem uma solução para o problema em grupo, em um trabalho cooperativo e colaborativo;
  5. Observação e incentivo: o professor atua como mediador e analisa o comportamento da turma. É importante incentivar os estudantes a usarem seus conhecimentos prévios para resolver o problema;
  6. Registro das resoluções na lousa: um representante de cada grupo deve apresentar e registrar a solução desenvolvida na lousa. Assim toda a turma consegue analisá-la e discuti-la;
  7. Plenária: a turma debate as diferentes soluções propostas pelos colegas;
  8. Busca do consenso: após o debate sobre as soluções, o professor tenta chegar a um consenso com os estudantes sobre a solução mais adequada para o problema proposto;
  9. Formalização do conteúdo: o professor deve registrar na lousa uma apresentação formal do conhecimento trabalhado na atividade. É preciso padronizar conceitos, princípios e procedimentos usados durante a resolução.

4. Incluir a leitura na rotina de estudos dos estudantes

Crianças e adolescentes precisam ser inseridos na cultura escrita e a leitura frequente é o melhor caminho. Além de ampliarem o repertório de gêneros textuais, é importante que os estudantes entram o propósito social de cada texto e compreendam o conteúdo das obras lidas. 

O professor precisa escolher textos que façam sentido para o estudante. O ideal é mesclar clássicos da Literatura Brasileira com romances contemporâneos, reportagens, crônicas, contos, charges... 

Também é preciso incluir textos produzidos nos canais digitais, como redes sociais e blogs, que fazem parte do dia a dia dos nativos digitais. O trabalho de leitura pode ser aliado a atividades de educação midiática. 

>>> Leia também: Como deve ser a alfabetização segundo a BNCC 

5. Levar experimentos para a sala de aula

praticas-pedagogicas-bncc

A última prática pedagógica da lista trabalha com um dos pilares da investigação científica, a experimentação, uma das orientações previstas na BNCC para as disciplinas de Ciências e Matemática.

Os experimentos em laboratório ou em sala de aula possibilitam aos estudantes levantar hipóteses, fazer registros e tirar conclusões. Assim, eles desenvolvem um pensamento sistemático, crítico e autônomo que os ajudará a lidar com as situações do dia a dia de dentro e fora da escola. 

A parte do registro, em especial, é uma ótima forma de crianças e adolescentes trabalharem habilidades de comunicação escrita. O professor deve explicitar que o registro será avaliado, por isso os estudantes devem considerar o interesse do leitor e o contexto do relato.  

Outra vantagem de realizar experimentos em sala é explicitar a relação entre teoria e prática para a turma. Para isso, o professor deve ir além de definições, conceitos e generalizações. Ele deve estimular que os discentes criem hipóteses a partir da observação do experimento. 

Sente-se mais inspirado para refletir sobre práticas pedagógicas? 


Esperamos que esta leitura sirva como inspiração para o seu trabalho. Se quiser se aprofundar mais sobre metodologias e o processo de ensino-aprendizagem, confira os artigos do Blog da Pós Educação Unisinos.

Sobre o autor

Olívia Baldissera

Jornalista e historiadora. É analista de conteúdo da Pós Educação Unisinos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página.

Acompanhe a transformação na Educação.

Confira os últimos artigos sobre inovação, metodologias de ensino e aprendizagem e carreira docente que preparamos para você.

Plano de fundo esquerdo dos posts relacionados
Plano de fundo direito dos posts relacionados