Plano de fundo esquerdo do banner

Ensino e aprendizagem

Como usar a curiosidade infantil a favor da aprendizagem

A curiosidade infantil é a vontade se informar sobre o mundo ao seu redor. E, quando estimulada da maneira correta, traz muitos benefícios.

Ensino e aprendizagem

Tempo de leitura: 5 min
Newsletter

A curiosidade é uma habilidade humana complexa, que pode ser vista sob duas óticas: como uma vantagem que ajuda no aprendizado ou como um traço de indelicadeza. 

O problema desse olhar duplo é que, enquanto sociedade, acabamos olhando muito mais para o lado negativo da curiosidade, pressupondo que qualquer pergunta inesperada é resultado de má educação. Especialmente se vier de uma criança. 

O que nos traz mais um problema porque é por meio da curiosidade infantil que acontece o entendimento de mundo de uma criança e seu desenvolvimento intelectual. 

Pelo viés científico, a curiosidade é o interesse que o ser humano tem sobre sua relação com o ambiente, sociedade e com as pessoas ao seu redor. É um processo natural, uma ferramenta que utilizamos para entender nossa existência. 

A curiosidade infantil, por sua vez, é um desejo ainda mais forte de se informar sobre o mundo ao seu redor. E, quando estimulada da maneira correta, traz muitos benefícios. Por isso, é importante ter cuidado para não associar as muitas perguntas das crianças com algo negativo. 

Pelo bem de seu desenvolvimento, o ideal é utilizar atividades que alimentem a curiosidade infantil e entreguem as ferramentas que as crianças precisam para serem adultos criativos, empáticos e resolvedores de problemas.

Você vai conferir:

O que a neurociência tem a dizer sobre a curiosidade?
Benefícios da curiosidade para a criança
Como estimular a curiosidade infantil em sala de aula

CTA: Faça uma pós graduação com quem está reinventando a educação! Matricule-se Já!

O que a neurociência tem a dizer sobre a curiosidade? 

De maneira geral, a curiosidade pode ser definida como o interesse intrínseco do ser humano em descobrir mais sobre aquilo que está ao seu redor, de entender como se relaciona com o meio. 

Já no campo das ciências, a curiosidade é um estado cognitivo que ativa áreas específicas do hipocampo que estão relacionadas à memória e aprendizagem. 

O hipocampo, por sua vez, é uma pequena parte do cérebro que está ligada ao sistema de respostas emocionais, e tem forte envolvimento na criação de novas memórias e conhecimentos. 

Ou seja, quando entramos em um estado de curiosidade, nosso cérebro se prepara para absorver e reter novas informações. Dessa forma, a curiosidade funciona como uma espécie de expectativa. 

Ao nos depararmos com algo que nos deixa curiosos, nosso impulso é criar uma expectativa sobre a resposta. No intervalo entre a pergunta e a resposta, o cérebro tenta imaginar as possibilidades, projetando possíveis respostas e mesclando satisfação e frustração. 

Durante a infância, esse processo é muito mais intenso. Isso acontece porque existe um rápido crescimento do cérebro nos primeiros anos de vida, trazendo a necessidade de alimentação constante dos neurônios. 

Por isso, a curiosidade infantil é tão grande. Eles estão alimentando o cérebro com o maior número possível de informações, que passarão por uma espécie de triagem mais tarde, quando as crianças chegarem à adolescência. 

Benefícios da curiosidade para a criança 

De acordo com estudos da Universidade da Califórnia, que identificaram que o cérebro da criança vê a curiosidade como uma ferramenta prazerosa, os maiores benefícios da curiosidade infantil são: 

  • Trazer mais criatividade: estimular a curiosidade na criança pode torná-la mais inventiva, inovadora e observadora, o que ajuda a trazer mais criatividade para o seu dia a dia. 
  • Ajudar no desenvolvimento do cérebro: como dissemos acima, o cérebro praticamente se alimenta de curiosidade nos primeiros anos de vida da criança. Por sua vez, esses impulsos ajudam no desenvolvimento do órgão. 
  • Fortalecer as relações sociais: por conta do melhor desenvolvimento cerebral, também existe um aumento da percepção que a criança tem sobre suas próprias sensações e emoções. E isso ajuda a melhorar a relação que ela tem com as pessoas ao seu redor. 

Além disso, a curiosidade infantil também traz benefícios como uma aprendizagem mais tranquila e rápida, devido aos estímulos para reter e assimilar informações. 

Como estimular a curiosidade infantil em sala de aula 

Na BNCC, que é a Base Nacional Comum Curricular, a curiosidade aparece como um meio para a construção do pensamento analítico e crítico. 

Essa construção é uma competência importante de ser desenvolvida no ambiente escolar, então um passo importante é estimular a curiosidade infantil dentro de sala de aula. 

Pensando nisso, trouxemos aqui algumas dicas de como fazer isso de maneira eficaz, evitando o lado negativo que a curiosidade pode ter. Confira: 

1. Ouça as perguntas com atenção e não deixe de responder

Já sabemos que a curiosidade infantil aparece por meio de perguntas feitas para os adultos. 

Logo, uma maneira de estimular essa habilidade em sala de aula é escutar as perguntas com atenção, entender o que exatamente a criança está querendo saber e nunca deixar de responder. 

Se você quer evitar que as crianças façam perguntas em um momento em que podem atrapalhar o andamento da aula, pode recorrer à atividades que determinem o momento de fazer perguntas. 

Por exemplo: você pode instituir a “hora das dúvidas”, em que as crianças podem perguntar o que quiserem em determinado espaço de tempo, ou a “caixinha de perguntas”, onde você pede que elas depositem suas dúvidas e você as responde em determinado momento da aula. 

O importante é que as crianças entendam que elas podem fazer perguntas, que o ambiente de sala de aula é um local seguro e que o professor é um aliado na construção do conhecimento. 

Um cuidado importante é saber como responder à curiosidade infantil. 

O ideal é que você seja natural e verdadeiro, buscando sempre as respostas que mais se adequem à faixa etária e entendimento de mundo que a criança tenha. 

2. Pense em atividades que estimulem o raciocínio

E embora você seja uma referência de pessoa que responde às perguntas, o ideal é também pensar em atividades em que as próprias crianças vão atrás das respostas sozinhas. 

Essa é uma ótima maneira de estimular a busca por informações, a habilidade de investigação e pensando crítico e desenvolver a autonomia. 

Para isso, você pode pensar na “pergunta da semana”, por exemplo, onde você faz uma pergunta e as crianças precisam pesquisar e apresentar suas respostas. 

Você pode, também, realizar experimentos em sala de aula que deixem espaço para dúvidas, como o pé de feijão no algodão. 

É algo simples, que qualquer criança pode tentar e que desperta perguntas sobre “como o feijão cresce no algodão?”, “porque as plantas crescem?”, “do que elas precisam para crescer?”, etc. 

3. Use a contação e criação de histórias

Expor as crianças à arte é uma ótima maneira de estimular a curiosidade. 

Por exemplo, você pode promover atividades de música, pintura e teatro, como também pode envolver a contação de histórias. 

A leitura é uma das formas mais tradicionais de trazer curiosidade porque cada capítulo provoca a criança a tentar descobrir o que acontece no próximo. E o mesmo pode ser dito da escrita e criação de histórias. 

Que tal incluir uma atividade em que as crianças precisam inventar histórias para os colegas? Ou em que elas precisam escrever seu próprio livro? Ou em que elas precisam ler um livro e contar essa história para os colegas depois? 

4. Deixe as crianças brincarem sem restrições

A curiosidade infantil se manifesta na forma de perguntas, mas ela também tem manifestação nas brincadeiras. Pode ser um teatrinho, um faz de conta, o pega-pega ou jogos de tabuleiro. 

Deixar que as crianças inventem brincadeiras e brinquem sem muitas restrições (para além daquelas que visam a segurança e boa convivência) pode ser uma ótima forma de estimular a curiosidade, criatividade e criação de laços. 

É na brincadeira que as crianças projetam e exploram, onde experimentam e assumem papéis. Ter liberdade para brincar é deixar a criança entender melhor o mundo ao seu redor. 

5. Sempre inclua atividades de curiosidade na rotina

Para finalizar essa seção, é importante também que você inclua atividades criativas na rotina de sala de aula porque atividades isoladas não trarão o resultado buscado. 

Experimente espalhar grandes atividades durante o ano letivo, mas também ter atividades pequenas e estimulantes no dia a dia. Isso ajuda a melhorar o clima em sala de aula, a deixar os alunos mais interessados em aprender e transforma o estímulo da curiosidade em uma constante. 

E se você estiver buscando estratégias para estimular a curiosidade infantil, além de entender como utilizar metodologias ativas e fundamentos neurocognitivos para potencializar o aprendizado de seus alunos, conheça a pós-graduação em Neurociência e Aprendizagem no Contexto Escolar. 

Aqui na Pós Educação Unisinos, este é um curso de especialização que tem aulas 100% online e é reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC). Conheça o curso clicando neste link.

Inscreva-se na pós-graduação em Neurociência e Aprendizagem da Pós Educação Unisinos

Leia também:

Sobre o autor

Redação

Conteúdo para quem quer inovar em sala de aula. Vamos juntos reinventar a educação?

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página.

Acompanhe a transformação na Educação.

Confira os últimos artigos sobre inovação, metodologias de ensino e aprendizagem e carreira docente que preparamos para você.

Plano de fundo esquerdo dos posts relacionados
Plano de fundo direito dos posts relacionados