<iframe src="https://www.googletagmanager.com/ns.html?id=GTM-KTJBCW6" height="0" width="0" style="display:none;visibility:hidden">
Plano de fundo esquerdo do banner

Ensino e aprendizagem

Como desenvolver a alfabetização matemática entre os estudantes

A alfabetização matemática é essencial em um mundo cada vez mais informatizado. Saiba como ensinar os primeiros números na Educação Básica.

Ensino e aprendizagem

Tempo de leitura: 5 min
Newsletter

Quando falamos sobre alfabetização, é comum as pessoas pensarem em letras, no alfabeto e em uma lousa com vogais, consoantes e palavras curtas. Só que nem toda alfabetização acontece apenas com palavras, há também a de números, a chamada alfabetização matemática.

Na verdade, a alfabetização matemática vai muito além dos numerais, ela tem relação com o desenvolvimento da linguagem e do raciocínio lógico, por meio dos números, entre os estudantes. 

E em um mundo cada vez mais tecnológico e informatizado, a linguagem matemática será cada vez mais importante, por ser a condição primeira de acesso a conhecimentos dessa área. 

Nesse contexto, em que a linguagem matemática ganha cada vez mais importância, há outro dado que quem está no dia a dia da sala de aula conhece bem: o medo ou mesmo a aversão de grande parte dos discentes em relação aos números. 

Assim, a alfabetização matemática cumpre uma dupla função: deve ensinar aos estudantes conceitos e a linguagem da Matemática e, ao mesmo tempo, desfazer a ideia de que a disciplina é difícil e para poucos, para os “inteligentes”. 

Se está ensinando os primeiros números para crianças, este artigo é para você! Olha só o que você vai ver por aqui: 

  1. O que é alfabetização matemática 
    1.1 Quando a alfabetização matemática deve começar?  
    1.2 A diferença entre letramento e alfabetização matemática  
  2. O que a BNCC diz sobre a alfabetização matemática 
    2.1 O que é o “sujeito matematicamente letrado”, citado pela BNCC? 
  3. Como desenvolver a alfabetização matemática em sala 
  4. Alfabetização matemática: um processo de construção do conhecimento

CTA: Faça uma pós graduação com quem está reinventando a educação! Matricule-se Já!

O que é alfabetização matemática

Em resumo, a alfabetização matemática é ensinar a lógica dos numerais e princípios da matemática aos estudantes. Só que a alfabetização matemática deve considerar a realidade e o cotidiano do estudante no momento de ensinar os conteúdos.

Caso contrário, corre-se o risco de elaborar uma aula de Matemática em que os conteúdos e as situações problema são distantes da realidade do estudante, o que resulta em dificuldade de compreensão e desinteresse por parte dele.

Na alfabetização matemática, os números e outros conceitos da Matemática, são postos de modo dialógico, isto é, o professor deve, antes, identificar qual é o estágio de letramento desses estudantes e quais elementos da matemática eles já incorporaram em seu dia a dia, para, então, definir quais conteúdos serão abordados e a didática que será utilizada.

Quando a alfabetização matemática deve começar?

As crianças devem se sentir seguras quanto ao processo de alfabetização. Por isso, quanto mais cedo elas tiverem contato com números e conteúdos de Matemática, mais confiantes tendem a estar quando o processo de alfabetização começar. 

A verdade é que no cotidiano elas já utilizam vários desses conceitos, como contar, somar ou subtrair. Seja na brincadeira do esconde-esconde, pega-pega ou outras.  

Nesse caso, cabe ao professor organizar e sistematizar tais conhecimentos, ensinando os estudantes a simbolizarem, matematicamente, determinadas situações. Por exemplo, se havia quatro colegas para pegar no esconde-esconde, e três já foram pegos, só resta um.

Dito de outro modo: 4 - 3 = 1

A diferença entre letramento e alfabetização matemática

Em relação às letras, o processo de alfabetização é quando o estudante aprende a ler e a escrever, já o letramento é quando ele aprende a utilizar a leitura e a escrita para as práticas sociais. 

Nesse sentido, o mesmo se aplica à Matemática. O letramento vai além de ensinar a famosa “decoreba”, que cria a famosa cena da professora intransigente que exige dos estudantes que saibam, de cabeça, as tabuadas completas do 1 ao 12. 

O discente pode ser considerado letrado em Matemática quando ele tem a capacidade de simbolizar e resolver, matematicamente, determinada situação ou problema. E não quando decora uma série de números, mas não enxerga aplicação para isso no próprio dia a dia.

O que a BNCC diz sobre a alfabetização matemática

De acordo com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), o letramento matemático permite ao estudante compreender a função e a importância da Matemática no mundo contemporâneo.

Além disso, essa compreensão deve ser acompanhada de senso crítico, de modo cidadão, para satisfazer as necessidades e resolver os problemas do próprio cotidiano. 

Ainda de acordo com a BNCC, letramento matemático é quando o estudante desenvolve: 

“Competências e habilidades de raciocinar, representar, comunicar e argumentar matematicamente, de modo a favorecer o estabelecimento de conjecturas, a formulação e a resolução de problemas em uma variedade de contextos, utilizando conceitos, procedimentos, fatos e ferramentas matemáticas”. 

O que é o “sujeito matematicamente letrado”, citado pela BNCC?

Nesse contexto de letramento matemático, há também o conceito de “sujeito matematicamente letrado”. Como o nome sugere, isso acontece quando o discente desenvolve a capacidade tanto de aplicar conceitos da Matemática no próprio dia a dia quanto de perceber o mundo ao redor de outro modo. 

Nesse caso, o estudante vai além do conhecimento utilitário sobre os números e as operações matemáticas. Ele também passa a ser capaz de refletir sobre a Matemática, em si, o que é importante para o desenvolvimento futuro de raciocínios mais complexos.

Como desenvolver a alfabetização matemática em sala

A alfabetização matemática deve acontecer desde cedo para que os estudantes sintam-se seguros em relação à Matemática. Nesse contexto, o papel do professor é primordial. 

Cabe a ele fazer com que o aluno fique seguro em relação aos conteúdos ensinados, que perceba uma evolução natural no próprio aprendizado e fique motivado com o avanço.  

A melhor parte é que iniciar a alfabetização matemática em sala de aula é muito mais fácil do que alguns pensam! Isso porque os números e as operações matemáticas (soma, subtração, multiplicação e divisão) já estão presentes no dia a dia dos pequenos. 

Além disso, a criança aprende também por observação e exploração do ambiente em que está inserida. De modo que o professor ou educador deve auxiliar o pequeno na construção e sistematização desse novo conhecimento. 

Os conceitos dos números, por exemplo, podem ser ensinados por meio de brincadeiras que exijam o agrupamento, a divisão, a classificação, a correspondência, entre os objetos. 

Se você quiser se aprofundar ainda mais no ensino da matemática, a Pós Educação Unisinos oferece o curso Math Revolution: tendências contemporâneas em Educação Matemática. 

As aulas são 100% online e ministradas por autores referência no mundo da Educação.

Inscreva-se na pós-graduação em Educação Matemática da Pós Educação Unisinos

A importância do ambiente alfabetizador

Para aprender, é importante que o estudante esteja em um local adequado. Não precisa ser a sala de aula, existem outros espaços de educação não formal que podem ser utilizados nesse instante.  

Ainda assim, a sala é um dos ambientes alfabetizadores, que deve ser explorada enquanto tal. Afinal, é durante a aula, em sala, que acontecem os diálogos, interações e descobertas por parte dos discentes. 

Só que na etapa de alfabetização matemática, o professor deve se lembrar de que os estudantes são crianças! Ou seja, a imaginação é um dos estímulos para que elas possam se expressar e simbolizar o mundo, além de compreendê-lo.  

Assim, uma opção é colocar uma tabela numérica em algum local da sala de aula, para que os estudantes possam consultar e observar. O interessante é que essa tabela seja colorida e chame a atenção das crianças. 

Praticar para aprender 

É praticando que se aprende. Essa frase é conhecida entre os educadores. E, no caso da Matemática, não é diferente. Só que nada de exercícios e atividades monótonas, hein! 

O recomendado é que o professor promova atividades lúdicas e divertidas. Por exemplo, é possível falar sobre quantidade contando quantas mochilas há na sala, qual é o tamanho do grupo dos meninos e das meninas, entre outras alternativas que envolvam o cotidiano dos estudantes e que seja fácil de visualizar e compreender. 

Ir além da sala de aula 

Como vimos, a sala de aula é um dos espaços alfabetizadores, mas não é o único. Pelo contrário! Existem diversos espaços que podem cumprir essa função.  

A própria escola, por exemplo. O professor pode conduzir a turma de estudantes pelo prédio do colégio, contando quantas são as salas, quadras, cantinas, quantos professores foram vistos durante o passeio, entre outras abordagens que mostram ao discente que a Matemática está presente no seu dia a dia. 

Desse modo, o estudante vai conseguir assimilar a importância e compreender o uso da Matemática para o próprio desenvolvimento e compreensão sobre o mundo ao redor. 

Lembre-se também de que a casa dos discentes é um dos espaços que podem ser utilizados por eles. Com a ajuda de um responsável, os incentive a contar o número de cômodos na casa, a quantidade de pessoas que moram nela, entre outras observações que ensine sobre princípios e conceitos da Matemática. 

Alfabetização matemática: um processo de construção do conhecimento 

Outras atividades e práticas podem ser desenvolvidas dentro da sala de aula. O importante é que o professor compreenda o momento e o nível da turma. 

Veja outras dicas de como implementar a alfabetização matemática:

  1. Converse com os estudantes sobre as diferenças e semelhanças entre as letras e os números, já que ambos simbolizam o mundo, mas de modo diferente;
  2. Explique a importância e o uso dos números no cotidiano das pessoas;
  3. Fale sobre quantidade: um conceito abstrato que pode ser facilmente compreendido. Por exemplo, quantas bolachas há de lanche? E suco? Com quantas laranjas se faz uma laranjada?
  4. Aborde as unidades de tempo: segundos, minutos, horas, dias, semanas, etc;
  5. Disserte sobre peso e comprimento com o intuito de fazer comparações: o que é mais pesado? O que é maior?
  6. Incentive os estudantes a identificar quantidade enquanto passeiam: por quantas ruas elas passam? E prédios?

Se achar necessário incentive os estudantes a conversarem com os responsáveis sobre a importância dos números na rotina em que possuem. Assim, os discentes poderão compreender que a Matemática é importante para todas as pessoas, de qualquer idade e profissão. 

Gostou deste conteúdo sobre alfabetização matemática? Confira mais artigos sobre metodologias de ensino no Blog da Pós Educação Unisinos.

Sobre o autor

Redação

Conteúdo para quem quer inovar em sala de aula. Vamos juntos reinventar a educação?

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página.

Acompanhe a transformação na Educação.

Confira os últimos artigos sobre inovação, metodologias de ensino e aprendizagem e carreira docente que preparamos para você.

Plano de fundo esquerdo dos posts relacionados
Plano de fundo direito dos posts relacionados